quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

DEMORA






















Enquanto não chega
a tropa inimiga;
enquanto não vem
o disco voador
semear incêndios
sobre a nossa roça;
enquanto não soa
na tarde o rugido
do amargo motor,
aqui jazeremos,
aqui ficaremos
apalpando moça.

Enquanto se atrasa
a ordem do senhor,
e não vem a chuva,
e se estanca o vento,
e um grande mormaço
no dia se empoça
(formando um cordão
de instantes opacos,
que a preguiça estraga),
aqui vagaremos
e nos distrairemos
apalpando moça.

Enquanto lá fora
jogam jogo vil
os donos da vida;
e se atrasa a chuva
contra a qual não há
valor que ainda possa;
aqui, como absortos
entre as engrenagens
de horas emperradas,
nos ocuparemos,
nos dissiparemos
apalpando moça.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

SONETO XLIII



Manifestantes ocupam triplex dos Marinho em Paraty
(Notícia do Pragmatismo Político)

Os três leões-marinhos são uns santos,
que dão prêmios aos juízes, predispostos,
enquanto se exercitam pelos cantos
na arte sutil de sonegar impostos.

Só lá na Caras vemos os seus rostos,
mas nunca nos jornais, que eles têm tantos;
pois a riqueza os cobre de mil mantos
e estão os puxa-sacos sempre a postos.

Tendo comido o cérebro da gente
no Jornal Nacional, andam cercando
terra pública, ao povo pertencente.

(E a tal Paraty House bem que parece
uma bocarra imensa devorando
a paisagem que em volta reverdece.)

(Indigestos e purgativos, 1ª série)